Histórico Municipal > Brasão do Município

Brasão do Município

O Brasão de Armas do Município foi criado pelo Prof. José Machado de Almeida, sendo o desenho executado pela Profa. Luiza Salvador Damato. O Brasão foi instituído pela Lei Municipal n.5005/97, de 17 de dezembro de 1997.

Resume de forma simbólica a história e a formação econômica e política da cidade. É representado por um escudo Flamengo-Ibérico que relembra as origens da civilização brasileira, oriunda de Portugal que nos legou o idioma, a religião e parte da formação étnica do Brasil. A coroa mural em prata com oito torres significa que Presidente Prudente é uma cidade politicamente independente e sede de poder judiciário.

Os quadriláteros abaixo da coroa mural representam, respectivamente, as matas virgens a coragem e intrepidez da brava gente que, adentrando os sertões, plantou a cidade; a insígnia de Mercúrio lembra o comércio e o arado lembra a lavoura prudentina; os três juntos revelam o início da vida municipal, surgindo a cidade das matas inóspitas para se transformar no principal mercado comercial e agrícola do triângulo formado pelos estados do Paraná, Mato Grosso e São Paulo.

No centro do brasão está a figura do bandeirante Raposo Tavares é uma homenagem a todos os pioneiros relembrados pelo primeiro que, historicamente, penetrou esta região, passando pelo Paranapanema e Paraná, com suas bandeiras, em 1627. É a história do bandeirismo e sua ação de apresamento e busca de riquezas nos sertões.

Os ramos de algodão e de menta, ladeando a figura de Raposo Tavares, mostram a maior fonte de produção agrícola da cidade, o algodão, e atestam o valor de nossa lavoura, pois a cidade é o maior centro algodoeiro e de menta do Brasil.

A flâmula com os dizeres "Labor omnia vincit";, que traduzidos literalmente significam: "O trabalho perseverante vence todos os obstáculos";, conta o valor do trabalho aqui realizado pelos antigos e atuais moradores, para que a cidade se transformasse numa capital, e onde o homem que trabalha vence e progride continuamente.

Voltar ao topo